Giovanni Tristacci / Tenor

Giovanni Tristacci / Tenor

Mídia Divulgação

Mídia Palco

Bio

Giovanni Tristacci estudou em consagradas escolas de música, como a Chapelle Musicale Reine Elizabeth (Bruxelas – Belgica), Centro de perfeccionamento Placido Domingo (Valência- Espanha) e Conservatorio del Liceu ( Barcelona – Espanha).  Além de ser bacharel em música pela UFRJ.

Foi Aluno de Eduardo Alvares, no Rio de Janeiro. Depois de se transferir para a Espanha, estudou com Eduard Gimenez e na Bélgica com o famoso barítono Josè Van Dam. Também foi aluno de Jocelyne Dienst (Repertório e estilo francês), Alberto Zedda (Repertorio Italiano) e Isabel Maresca no Brasil.

Em 2007, integrou o elenco da ópera “O Cientista”, do compositor Silvio Barbato, cujo enredo narra a vida e obra de Osvaldo cruz, famoso sanitarista brasileiro. Esta montagem, regida pelo próprio compositor, esteve em turnê por algumas cidades brasileiras.

Em julho de 2010 integrou o elenco da ópera Gianni Schicchi, interpretando o personagem Rinuccio, com a orquestra do conservatório do Liceu, sob direção do Maestro Daniel Mestre. Em janeiro de 2011 atuou em um Concerto de Gala em Bruxelas, Bélgica ao lado do barítono Jose van Dam, onde foram interpretados trechos da ópera “Os contos de Hoffmann”, de Offembach. Participou também das temporadas do Theatro São Pedro, em São Paulo, na Opereta A Viúva Alegre e do Theatro Municipal de São Paulo,  na ópera “A Menina das Nuvens”, de Villa-Lobos.

Em agosto de 2012 foi solista da Nona sinfonia de Beethoven, acompanhado pela orquestra Sinfônica da Bélgica, dirigida por M. Tabachanick e em janeiro de 2013, foi solista na Gala dedicada à Opereta, ao lado da soprano June Anderson, e junto com a Orquestra Filarmônica de Luxemburgo, dirigida por Patrick Fourniller. Ainda em 2012 foi “Tamino”, na Flauta Mágica, no Festival de ópera do Amazonas, foi tenor solista na obra “A Criação”, de Haydn, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; foi “Camille de Rossillon”, na opereta “A viúva Alegre”, de Lehar, no Palácio das Artes em Belo Horizonte e finalmente foi “Narraboth”, na ópera “Salomé”, de R. Strauss, no Festival de ópera de Belém (PA).

E em janeiro de de 2013 foi solista da Missa n. 1 de Schubert, acompanhado pela orquestra sinfônica da Bélgica, dirigida por Cristopher Warren-Green. Em março do mesmo ano, participou da montagem de Ça Ira, de Roger Waters, no Theatro Municipal de São Paulo, com grande sucesso de critica e público, bem como nas produções de A Viúva Alegre (Léhar), no Palácio das Artes, em Belo Horizonte (MG) e na produção da ópera Salomé, no Theatro da Paz, em Belém (PA). Neste ano destaca-se a participação como solista no Oratório “Messias” de Handel, na Sala São Paulo e “Duca”, na montagem de Rigoletto de Verdi, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, MG.

Participou de alguns masterclass e recebeu orientações temporárias de alguns importantes mestres de canto, dentre eles: Jeffrey Gall (USA), Raul Gimenez (Argentina), Alba Tonelli (Uruguai), Luisa Giannini (Itália) e Massimiliano Carraro (Italia), Roger Vignoles (Inglaterra), Helmut Deutsch (Alemanha) e June Anderson (EUA).

Destaca-se ainda sua atuação na música de câmara, com recitais em grandes salas como o Palácio de Belas Artes da Bélgica (BOZAR).

Repertório

ÓPERA
Beethoven Fidelio Jaquino
Busoni Arlecchino Leandro
Bellini Capuleti e Montecchi Tebaldo
Bernstein Candide Candide
Donizetti L’elisir d’Amore Nemorino
Lucia di Lammermoor Edgardo
Don Pasquale Ernesto
Gounod Romeo et Juliette Romeo
Léhar Die lustige Witwe Camille
Mascagni L’amico Fritz Fritz
Massenet Manon De Grieux
Werther Werther
Mozart Die Zauberflöte Tamino
Don Giovanni Don Ottavio
Offenbach Les contes d’Hoffmann Hoffmann
Prokofiev Betrothal in a Monastery ( Dueña) Don Gerome
Puccini La Bohème Rodolfo
Gianni Schicchi Rinuccio
R. Strauss Salomé Narraboth
Der Rosenkavalier An Italian Singer
Verdi La Traviata Alfredo
Falstaff Fenton
Rigoletto Duca
Otello Cassio
 Waters Ça Ira The officer/ The priest

 

CONCERTO
Beethoven 9. Sinfonie
Britten Nocturne op. 60
Handel Messiah
Haydn Die Schöpfung
Mendelssohn Lobgesang op. 52
Mozart Requiem
Rossini Petite Messe Solennelle
Stravisnky Pulcinella and “Les Noces”

Depoimentos

Great performance of the Brazilian tenor Giovanni Tristacci, his lyrical voice was perfectly adjusted to the demands of Candide, the protagonist, with some moments of authentic vocal beauty.”

Emilio Sanmiguel, El Nuevo Siglo – November 2017

 

Tenor Giovanni Tristacci, confirming his solid ascension in the nacional lyric scenario, portrayed an excellent Romeo. Showing qualities that have been seen in his art in the past few years, among which we can highlight good vocal projection and beautiful legato, the singer bravely performed his second act aria, beautiful “Ah! Lève-toi, soleil!”, and in the fifth act, he sang very expressively the sensitive “O ma femme! O ma bien-aimée”.

Leonardo Marques, movimento.com – May,2016

 

Giovanni Tristacci’s “Duke” revealed a resourceful and expressive interpreter, with elegant legato and a deep knowledge of the text and music.
Joao Luiz Sampaio, O Estado de São Paulo
November, 2014

 

And the great performance of the night belonged to the tenor Giovanni Tristacci, who superbly performed the rôle of Don Jerome. Vocally safe, but also showing excellent beautiful colors in his voice and perfect pitch, the artist showed the public an excellent scenic construction, specially if you consider that the character is much older than the singer. Each movement, each gesture, each facial expression that Tristacci made had sense, was never gratuitous. If all the rest hadn’t been good, just this artist’s performance alone would have been worth it.

Leonardo Marques, movimento.com – September, 2015