Marcelo Lombardero / Diretor

Marcelo Lombardero / Diretor

Mídia Divulgação

Vídeos

Bio

Nascido em uma família de artistas dedicados ao gênero operístico, Marcelo Lombardero esteve ligado às casas de ópera desde cedo.
Formou-se no Instituto Superior de Arte do Teatro Colón de Buenos Aires com as melhores médias, foi membro do Coro Infantil e Coro Estável do Teatro Colón e renomado barítono, tendo se apresentado em vários teatros na América e na Europa.
Entre 2005 e 2008, foi nomeado Diretor Artístico do Teatro Colón, entre 2008 e 2013, foi Diretor Artístico do Teatro Argentino, tendo sido sua gestão à frente desta instituição considerada a mais importante e produtiva daquele Teatro.

A partir  2016 retorna ao Teatro Colón como Diretor da Ópera de Câmara.
Sob sua gestão, propõe a Ópera de Câmara como um projeto itinerante para atingir diferentes etapas da cidade de Buenos Aires, do país e do exterior. Promove jovens artistas e recupera obras importantes que vão do Barroco aos dias de hoje.
Já em 2000 reinstaurou e deu início a esta organização que havia encerrado nos anos 90; à frente de sua direção, a Ópera de Câmara retomou suas atividades produzindo espetáculos em Buenos Aires e percorrendo a Argentina, América Latina e Europa. Sua encenação de Der Kaiser von Atlantis foi apresentada no Teatro Alfa de São Paulo e na Ópera Comique de Paris.
É membro do Conselho de Administração da OLA (Ópera Latino-Americana), órgão do qual é co-fundador e primeiro vice-presidente (2007).
No âmbito privado, criou o TMC (Teatro Musical Contemporâneo), companhia independente de teatro musical com a qual produziu seus próprios espetáculos apresentados em teatros da Argentina e festivais internacionais.
Sua obra Bromas y Lamentos, baseada em composições de Monteverdi e Cavalli, foi apresentada em Buenos Aires, Miami, e na inauguração do Conjunto de Artes Cênicas de Guadalajara (2017).
Lombardero iniciou sua atividade como encenador no Centro de Experimentação daquele teatro (CETC). Lá ele editou Mahagonny Songspiel de Brecht-Weill, In the Moonlight com música de Monteverdi, Ravel e Debussy e Aventures et Nouvelles Aventures de Lygeti.
Em 1995 estreou-se no salão principal do Teatro Colón com a encenação de O Castelo de Barbazul. Em 2002 ele produziu uma nova produção de La fanciulla del West , que foi seguida por Dialogues des CarmélitesDer Kaiser von Atlantis, Der König Kandaules, Jonnyspieltauf, Wozzeck, Parsifal, Macbeth, e Rise and Fall of the City of Mahagonny.
Trabalhando assiduamente na Europa, Estados Unidos e América Latina, além de fazê-lo em vários centros musicais da Argentina, sua montagem de Lady Macbeth de Mstensk (TeatrWielki, Poznan) foi premiada com a melhor produção de ópera na temporada 2011-2012 da Polônia. Carmen (Palacio de Bellas Artes, México) recebeu o prêmio Lunas do Auditorio de México; sua atuação de Billy Budd de Britten, em Santiago do Chile, foi distinguida pelo Círculo de Críticos de Arte.
Ele colabora com diferentes compositores contemporâneos realizando estreias de teatro musical e ópera.
Escreveu ensaios e reportagens sobre ópera e teatro musical para diversos meios de comunicação especializados locais e internacionais.
Desde 2008 dirige e produz a bem-sucedida série de rádio “Un programa de Ópera” para a Radio Nacional Clasica de Argentina.