Marina Considera / Soprano

Marina Considera / Soprano

Mídia Divulgação

Mídia Palco

Vídeos

Bio

Marina Considera é Mestra pela UFRJ e formada em Bacharel em Canto pela UNIRIO. Sua estreia profissional se deu em 2006 na Ópera “A Carta”, sob regência de Henrique Morelembaum.

Entre 2007 e 2010, foi integrante do Opera Studio da Accademia Nazionale di Santa Cecília, sob orientação de Renata Scotto, Anna Vandi e Cesare Scarton. Durante sua estadia em Roma, cantou no Auditorium parco della Musica, na Fundação Tito Gobbi e no Teatro Stabile di Abruzzo.

Em 2013, foi Rossweisse na ópera A Valquíria no TMRJ,  e Rosália, na Ópera Jupyra, no TMSP.

No  ano de 2014, participou como solista na  9ª Sinfonia de Beethoven na Sala São Paulo; solou a Quarta Sinfonia de Mahler sob regência de John Neschling no TMSP, e foi o soprano solista em um concerto em homenagem a Carlos Gomes, em Campos de Jordão, sob regência de Luiz Malheiro. Foi protagonista na ópera Tosca em Porto Alegre, e na Opera I Pagliacci no TMSP.

Em 2015, protagonizou Suor Angelica, no Festival da Music Academy International, em Trentino (Itália), regência de Elaine Rinaldi, e interpretou, com grande sucesso, a Condessa em As Bodas de Fígaro, regência de T. Volkmann, no TMRJ. Em 2016 foi a Musetta em La Bohème, sob regência de Eduardo Strausser, no TMRJ e Ceci em Il Guarany no Palácio das Artes, sob direção de Silvio Viegas. Em 2017,  foi Donna Anna no Theatro da Paz sob regência de Silvio Viegas e direção de Mauro Wrona.

Em 2018, solou com grande sucesso o Stabat Mater de Rossini, a frente da OSB e foi novamente Donna Anna sob regência de Claudio Cruz e direção de Mauro Wrona.

Em 2019, foi solista em Egmont de Beethoven com a ORTHESP e regência de Cláudio Cruz, e foi Giulietta em Os Contos de Hoffmann sob regência de Priscila Bonfim. Seus próprios compromissos incluem Tatiana em Eugene Onegin de Tchaikovsky. Desde 2015, é orientada pelo renomado soprano Eliane Coelho.

Depoimentos

“A soprano Marina Considera (…) realizou um minucioso trabalho vocal e de caracterização, superando as dificuldades colocadas pela partitura.” (Irineu Franco Perpétuo – Revista Concerto)

“O soprano Marina Considera esbanjou talento como Nedda, sua voz sempre afinada se destacou pela beleza do timbre e pelo colorido no médios.” (Ali Hassan Ayache – movimento.com)

“A soprano Marina Considera, com perfeita colocação vocal e dramática imbuiu de ansiedade e súplica suas notas em Inflammatus et accensus, na companhia do Coro.” (Fabiano Gonçalves – movimento.com)

“Em ‘Jupyra‘, o duo formado pelo tenor Fernando Portari e a soprano Marina Considera – à vontade tanto na complexa escrita vocal como na concepção cênica de seus personagens – foi o destaque.” (Agência Estado)